• RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
sábado, 9 de agosto de 2014 às 22:55 Postado por Gustavo Jacondino 0 Comments

Se "O Grande Golpe" não foi o filme que Stanley Kubrick teve grande liberdade artística, tendo que ceder um final politicamente correto em que o crime não compensa e ter uma estranha narrativa em off que narra exatamente aquilo que estamos vendo, em compensação esse grande diretor (o meu preferido) consegue contar a sua história como ninguém, se utilizando de enquadramentos muito bem planejados, economizando nos cortes, dando a magnitude merecida a cada diálogo (em um roteiro muito bem escrito), e entregando planos-sequência magníficos.


Um plano-sequência em destaque chama a atenção, quando Kubrick acompanha Johnny Clay (Sterling Hayden) por um corredor, revelando ser na verdade o ponto de vista de um espelho (ou na verdade um ponto de vista de fora do espelho) e seguindo a trajetória do personagem na busca de um parceiro para  desempenhar uma dada função em seu plano. Chama a atenção o plano-sequência, que além de ser tecnicamente perfeito, condensa a cena num contínuo dentro da narrativa, sem a necessidade do uso do corte, conferindo mais realismo e imersão do expectador ao narrar visualmente as ações do personagem.


the killing 0

the killing 1

the killing 2

the killing 3

the killing 4

the killing 5

0 Amantes do cultcomentario até agora.

Postar um comentário