• RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
domingo, 19 de julho de 2015 às 18:57 Postado por Gustavo Jacondino 0 Comments

Sem título

Episódio escrito com maestria e dirigido com precisão. Se baseando em tudo que já fora desenvolvido em torno dos personagens, James Wong e Glen Morgan passam agora a explorar o choque de Scully, essencialmente cética, com o sobrenatural, relacionado com a morte do pai e a presença perturbadora de um vidente.



Os escritores já acertam em criar certa intimidade natural dos agentes, quando Mulder passa a chamar Scully pela seu primeiro nome, Dana. O caso investigado envolve um serial killer, e funciona muito bem com os recursos usados por David Nutter para narrar a sua história, construindo um ambiente tenso e sombrio, utilizando imagens inseridas pela montagem na descrição do assassino pelo vidente ou mesmo quando Scully olha para uma cadeira à sua frente, na esperança de rever a aparição que teve de seu pai. O diretor também emprega muito bem o uso de fusões e trabalha com o foco da câmera para evitar cortes e construir uma narrativa visual econômica.

 Sem título2


A própria descrença de Mulder neste episódio, desta vez ele sendo o cético, funciona para contrabalancear a trama. A conclusão fica entre as duas interpretações, sem mastigar demais as informações e sendo sutil o bastante para que termine de maneira apropriada. Facilmente está entre os melhores da temporada e de toda a série.



 Sem título6

Escrito por:
Glen Morgan
James Wong

Dirigido por:
David Nutter

0 Amantes do cultcomentario até agora.

Postar um comentário