• RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
segunda-feira, 27 de outubro de 2014 às 19:10 Postado por Gustavo Jacondino 1 Comment



Amy Dunne (Rosamund Pike) desaparece no dia do seu aniversário de cinco anos de casamento, deixando o marido Nick (Ben Affleck) preocupado. Ele começa a agir descontroladamente, abusando das mentiras, e se torna o suspeito número um da polícia. Com o apoio da sua irmã gêmea, Margo (Carrie Coon), Nick tenta provar a sua inocência e, ao mesmo tempo, procura descobrir o que aconteceu com Amy.


David Fincher tem fama de ser um diretor extremamente racional. Com um bom roteiro nas mãos não decepciona. Pois pra mim, aqui, ao reconhecê-lo como racional, lê-se: filme bem decupado. É uma das qualidades de seu mais recente filme, “Garota Exemplar”. E, claro, o roteiro.

O filme tem início com uma série de sequências que estabelecem a relação do casal, seus primeiros momentos juntos, até chegar a alguns pontos mais problemáticos do relacionamento. Nesse tipo de filme, em que seria comum considerarmos os personagens como meras peças dentro de um grande jogo narrado com suspense e surpresas, David Fincher nos entrega cenas realmente carregadas de certa emoção, o bastante para que possamos nos identificar com a sempre misteriosa Amy e o complexo Nick Dunne. E é nessa identificação que reside o coração do filme.

Após o desaparecimento de Amy , como era de se esperar, temos uma investigação, e através desta a reconstituição de um ponto de vista. Através dele conhecemos melhor Nick e principalmente os problemas no relacionamento do casal. Isso basta para que tenhamos uma visão do que pode ter acontecido com Amy. Mas a narrativa nos surpreende no decorrer do longa de maneira que, quando dada revelação aparece praticamente no meio do filme (um pouco antes da metade), esta surge com força tamanha, criando um clima de tensão crescente ao longo do filme e, o maior mérito do longa, não sacrifica a personalidade e a construção de nenhum dos personagens.

Muito pelo contrário do que a maioria dos diretores faria com um filme desse tipo, David Fincher consegue ser fiel aos personagens que procurou retratar, mérito também do roteiro de Gillian Flynn, que por sinal é autora do livro que deu origem ao filme. Esta é sim, nas mãos de Fincher, uma história de amor narrada com uma riqueza de detalhes e emoções.

Citei a decupagem, que aliada à trilha sonora, fotografia que varia entre tons amarelos, quentes e o dessaturado e enquadramentos meticulosos, geram sequências inesquecíveis, em destaque uma em particular, que é uma verdadeira aula de cinema, de tão bem feita em todos os seus detalhes. Sem querer falar demais, é uma sequência que tem bastante sangue.

Assim, surpreendendo em praticamente tudo que acontece do meio para o final, temos a impressão de estar assistindo a mais uma obra-prima do diretor de Seven e Zodíaco. Acredito que, se não uma obra-prima, pelo menos um filme extremamente instigante, principalmente no que se refere aos personagens. Ao chegarmos ao final percebemos que de fato o mesmo adorável casal que conhecemos no início é o mesmo no término, tendo todos os seus atos, quem sabe, justificados pelo amor, intenso, voraz, que consome, como o sexo, como a violência, mas que continua sendo amor.

Direção: David Fincher

Roteiro: Gillian Flynn

Fotografia: Jeff Cronenweth

Elenco: Ben Affleck, Rosamund Pike, Missi Pyle, Neil Patrick Harris, Scoot McNairy, Tyler Perry, Patrick Fugit, Carrie Coon





1 Response so far.

  1. […] Garota Exemplar ★★★★★ – O melhor do ano. […]

Postar um comentário